RESIDÊNCIA ARTÍSTICA Terra UNA

Interações Florestais 2011

Homocrisálida



De: Gilio Mialichi Neto de Oliveira

2d e 3d, SP

A Proposta

O trabalho baseia-se na construção de uma instalação denominada “homocrisálida”, através de uma prática artística sustentável. Trata-se de um aglomerado de crisálidas suspensas (50 unidades ou mais, com tamanhos variados) construídas a mão, com aparência análoga à natureza (crisálidas e ninhos). A proposta é relacionar a origem dos seres, da concepção até seu nascimento e existe uma convergência de idéias entre o objeto arte e a finalidade conceitual do projeto.
Para confeccionar as crisálidas serão necessários materiais orgânicos, em sua maioria, e simples como: terra, areia, água, argila, fibras vegetais naturais (capim, folhas, gravetos, etc.), estopa, barbante, arame, algodão, juta, cola branca, gesso em pó e cimento, recolhidos e/ou reaproveitados no local. (sempre que possível e sem causar nenhum dano ao ambiente)
O processo de construção da instalação será colaborativo, ou seja, com ajuda do público participante da vivência oferecida.
A obra será instalada ao ar livre, em aglomerados suspensos na paisagem (árvores, etc.), interando com o meio ambiente (de acordo com a disponibilidade do local).

Interação com o Ponto de Cultura

O público será parte fundamental durante todo o processo construtivo da instalação “homocrisálida”, já que essa construção é colaborativa.
O desenvolvimento do projeto será dividido em três partes organizadas em reuniões coletivas: orientação conceitual (teórica), orientação técnica (prática) e montagem.
A primeira será o esclarecimento do projeto para os participantes colaboradores, abordando a origem e intenção da obra, além de questões sobre a prática, tridimensionalidade das massas, estrutura e orientação sobre a coleta de matéria prima para confecção das crisálidas.
O segundo passo (participação prática do público) será subdividido em duas etapas. A primeira será a campo, para a coleta de matéria prima (capim, terra de várias cores, água, gravetos, folhas, argila, etc.). A segunda será em ateliê, para a construção orientada das crisálidas.
A terceira e última parte desse projeto é a montagem da instalação no local disponível, onde as crisálidas ficarão suspensas convivendo com o ambiente.

Sobre o artista

Gilio Mialichi, artista plástico e arte educador, vive e trabalha na cidade de Limeira-SP. Técnico em Agropecuária pela UNESP. Graduado em Educação Artística licenciatura plena, habilitação desenho e artes plásticas e Pós Graduado em Estética e História da Arte no Centro Universitário de Araras Dr. Edmundo Ulson. Cursou Arte Educação no Instituto Tomie Ohtake.
Ouviu: Ivo Mesquita, Ana P. Cohen, Cláudio Cretti, Pablo Gimenez Burillo, Sônia Salztein, Sérgio Romagnollo, Sylvia Furegatti, Marco do Valle, Cecília Stellini, Tadeu Chiarelli, Regina Johas etc.
Expôs no 61º Salão de Abril-Fortaleza-CE, MAM Resende-RJ; Piracicaba, Araraquara, SESC Ribeirão Preto, Rio Claro, São Paulo, Vinhedo, S. B. D’oeste, Atibaia, Campinas-SP.
Ministrou atividades para a Secretaria de Estado da Cultura SP, pela Oficina C. Carlos Gomes. Hoje é Professor de: Artes no Ensino Fundamental I e II, pintura na Secretaria Municipal de Cultura de Limeira e educação especial.
Tem texto/comentário sobre seu trabalho dos críticos Oscar D’ambrósio e Elvira Vigna nos sites www.artcanal.com.br/oscardambrosio e http://vigna.com.br/divjornal/, respectivamente.
gmialichi@hotmail.com
gmialichi@yahoo.com.br
gilio

Comentários

1. Ana Roland
02/02/2011 19:26
Gilio, Meu amigo querido

Foi uma honra ter visto os primeiros homos, sairem do papel e ganhando os ares.
Misturando-se a todos os seres por aqui habitados.
O SEU,ser mundano.Inundando.Tomando.Existindo.

Grande abraço, saudades imensas.
toda a luz do mundo para você.


AnaR
2. Deborah Cimini
21/01/2011 15:38
oi gilio, muito lindo isso! Vendo a casa como um outro corpo, sua proposta me fez refletir sobre o que existe de passáro em suas casas e de como será acessar esse lugar através da construção. Deve ser uma conexão muito forte com esses seres que nos trazem o vislumbre do que seria uma real liberdade. Gratidão por esse momento...espalhando poesia!


3. Rozangela Guerrero
20/01/2011 11:01
Gilio, sempre arrasando em suas propostas...
Adoro esta metáfora do casulo... é de se pensar e refletir sobre a nossa intervenção com o meio.
Pressão X Liberdade, Escolhas, Caminhos... Vida!
Abraço, te admiro muito.
Rô.
4. Leonardo Motta Campos
20/01/2011 02:09
..gilio...
..
...gostei muito da sua percepção sobre minha proposta... tudo muito pertinente...
..
.mas em relaçao a sua proposta...
..me causa um interesse em ver esses "casulo"...pois compreendo o trabalho como uma espécie de uma arquitetura que se converge em harmonia com o ambiente..
.na verdade esta construção é um produto do ambiente.... o ambiente é um fator extremamente importante...
..parabéns...
..e gostaria muito em participar na construção de uma homocrisálida..
..um abraço..
...aoleo...
5. Luís Felipe Branco Volpe
20/01/2011 01:02
Gilio...Cop é uma técnica de bioconstrução.
é uma mistura de barro ( terra ), areia, e palha pra da a liga. Ai pode-se procurar algum cupinzeiro abamdonado, e misturar aos outros elementos. Da uma olhada na net cada casa loka que já fizeram com essa técnica. É bem mais firmeza do que o cimento, que apesar de ser resistente, não respira.
É nóis !!!
Vamo q Vamo !
6. Amanda Freitas
19/01/2011 21:48
Sua pesquisa é interessante Gilio. Casulos são estruturas muito cheias de sentido para as pessoas. Mas fiquei imaginando que a sua oficina relacionada ao trabalho, poderia justamente por isso transcender a mera confecção do trabalho, e acho que isso naturalmente acontece quando as pessoas se envolvem afetivamente no trabalho. Você é também arte-educador, estou certa de que possui esse dom de cativar.
Achei bacana sua disposição em estabelecer diálogos virtuais.
Estive por aqui.

Boa sorte!

Luz.
7. Marina Fraga
17/01/2011 19:08
Olá! Muito interessante seu projeto. Casulos que guardam dentro de si o princípio da espera e da transformação. À espera de ver as maravilhas que podem sair de dentro deles! parabéns!
8. Douglas Pego
17/01/2011 18:07
que bonito aqueles bebes que vi no seu site. muito fortes.

Gilio, sua proposta me confundiu. Muito doido isso. As crisalidas parecem muito coisas naturais, da propria arvore ou construidas por animais. Entao vc constroi essas peças e as coloca nas arvores. Essa confusão de parecer ser natural e nao ser..bom isso heim. nao sei o que pensar agora, mas me fez pensar em uma logica muito doida.

até mais.
Pego
9. Douglas Pego
17/01/2011 17:44
Oi Gilio,
É inedita sim! Pensei em como estabelece uma relação coerente com o lugar e com minha pesquisa.

O vídeo do trabalho Batom existe sim. Vou disponibiliza-lo em algum site de vídeo e te mando o link.
até. Pego
10. Flávia Paiva
17/01/2011 10:21
sim, vi seu blog!
era só para a gente manter mais um contato!
mas ok, já tenho aqui!

e vamos ao trabalho!
abraço!
11. soraia nunes
17/01/2011 09:54
pra que a vida aconteça é necessario esforço e sair da casca, do casulo, bacana a proposta! boa sorte
12. Flávia Paiva
17/01/2011 09:44
vc tem face?
me add, se quizer
www.facebook.com/profile.php?id=1157868973

mais um espaço para a troca!

Flávia
13. Natalia Godinho Coutinho
16/01/2011 19:22
Olá Gílio! Interessante sua proposta.. Lembra formalmente um pouco os casulos da Rosana Paulino, não?

Muito obrigada pelo apoio!
14. Giovanni Ferreira de Souza
14/01/2011 20:24
Gilio, que bacana a questão da gestação, da maternidade que tu fala e dessa relação pessoal tua que parece muito intrínseca no teu trabalho...
além dos registros do tempo, de ações naturais, gosto muito dessa captação, desses recortes de passagem do tempo... muito do meu trabalho é puramente isso.
valeu meu caro, vamos falando!
15. rodrigo d'almeida
13/01/2011 11:18
oi Gilio, muito obrigado!


Penso que o fazer artesanal esta ligado diretamente as mãos, ao manuseio, e a partir deste contato, das mãos com a peça, a partir deste impulso, conectado à mente, acontecem as gerações de idéias e aperfeiçoamentos que retornam as mãos, É como um bate e volta entre Mãos – Mente – Mãos – Mente – Mãos

O meu trabalho artístico tem um contexto de observação e transformação. Coleto, objetos naturais secos e a partir da observação e junção das suas formas crio esculturas orgânicas e máscaras ritualísticas. Mas o fazer artesanal esta completamente inserido no trabalho artístico quando faço os amarrados que unem as peças ou moldo o barro para cobrir um mascarado, quando limpo e preparo essas peças por exemplo.

Penso que o fazer artístico esta ligado ao corpo todo. A arte é sentimento, lida com os sentidos e estes levam as mensagens não a mente ou ao pensamento, mas a via pulsante do coração. E a partir dai, acontece uma interação com o todo. Quando dançamos, pintamos, ou permormamos com o coração, essa é a energia do todo. A arte é o todo. Rsrsrs! Mas entende, o trajeto artístico é corpo – coração/timo – todo – coração/timo – corpo.
Acho que o artesanato é ancestral. A arte é transcendental.
Mas esses fazeres ( arte/artesanato) andam bem próximos na minha vida.

Espero meu caro, que nesse bocado de texto, eu possa satisfazer suas idéias pois esse assunto é pano para uma conversa bem mais longa. Espero poder encontra-lo em Terra Una para colocar idéias no papel e deixar tudo gestando nas homocrisálidas. Rsrsrs!

Na educação me satisfaço totalmente. Atuo como facilitador e capacitador de desenhos (sociais, econômicos e ecológicos) sustentáveis com especialização em jogos cooperativos. Acredito e trabalho para que a Educação Ambiental seja o arcabouço
para que outras sabedorias possam integrar ao conhecimento natural, suas diversas aspirações e para que o ser humano se reconheça de uma vez por todas, parte desta estrutura natural e viva que é o planeta Terra.

Um grande abraço.
16. Giovanni Ferreira de Souza
12/01/2011 23:42
Isso Gilio,

tiramos o "a mais", os desvios do ideal, para assim alcançar o todo, o ponto denso e essencial do propósito!
Sim, acredito que a nossa trajetória é essa busca constante pela essência no trabalho.

Eu também quero saber do início da tua proposta e de trabalhos anteriores... já dei uma olhada no teu blog... são muito interessantes as imagens, falaí!

abração
17. Daniel Seda
12/01/2011 01:15
Oi Gilio,
Respondendo à sua pergunta, muito do que eu fiz nos últimos 10 anos está ligado ao vídeo, principalmente usado como um elemento de performance ao vivo.

Esse trabalho proposto para o Terra Una, Eco Elétrico, não tem relação com vídeo. Claro que farei um registro e tal, mas o trabalho é uma instalação mesmo.

Também fui ao seu blog, gostei muito daquela série "Sacros". Você segue com ela?
Eu estou voltando timidamente à "matéria" (desenho, escultura, instalação) depois de uma década dedicada ao vídeo, internet e performance, e tenho também planejada uma série inspirada em elementos de fé.

Gostei bastante do resultado da sua santa, como se exposta ao mar, ao tempo.

Abs
:)
18. Luís Felipe Branco Volpe
12/01/2011 00:53
Firmeza!
Legal !

Acho até que da pra usar barro de cupinzeiro em vez de cimento e gesso. Tipo cob...conhece?
Fica ninja...a baba do cupim é uma cola tão boa quando as industriais.

Parabéns pelo projeto !
Tá bem legal !
E dialoga bastante com o esquema dos reinos !

Vamo q vamo !



19. Luís Felipe Branco Volpe
12/01/2011 00:53
Firmeza!
Legal !

Acho até que da pra usar barro de cupinzeiro em vez de cimento e gesso. Tipo cob...conhece?
Fica ninja...a baba do cupim é uma cola tão boa quando as industriais.

Parabéns pelo projeto !
Tá bem legal !
E dialoga bastante com o esquema dos reinos !

Vamo q vamo !



20. Douglas Pego
11/01/2011 22:47
Oi Gilio,
É inedita sim! Pensei em como estabelece uma relação coerente com o lugar e com minha pesquisa.

O vídeo do trabalho Batom existe sim. Vou disponibiliza-lo em algum site de vídeo e te mando o link.

até. Pego
21. Cristina Amiran
11/01/2011 21:21
Boa noite Gilio,
O seu trabalho me remete ao interior das Minas Gerais, onde passei parte da minha infância.
Identificação total...
Sucesso prá você e boa sorte.
Abs,
Cristina Amiran
22. Ana Reis Nascimento
11/01/2011 19:35
gilio,
sua proposta me lembrou muito o trabalho de um amigo, q faz casulos enormes nas árvores, só q de cimento: http://influxusblog.blogspot.com/

acho lindo tb as casas de joão de barro, tem um sítio q sempre vou q tem uma de dois andares construída em cima da fiação elétrica. impressionante como alguns pássaros tb se apropriam de objetos industrializados, fios de cobre, arames, pra construir seus ninhos.

beijos,
23. Giovanni Ferreira de Souza
11/01/2011 00:26
Oi Gilio,
respondi a tua pergunta na página do meu projeto...
bacana dividirmos as nossas trajetórias e daí delinearmos um pouco mais de cada proposta!

abração e até mais
e vamos falando
24. Cindy Quaglio
10/01/2011 13:15
Finalmente cheguei no seu trabalho, tenho visto seus comentarios, sempre presentes, mas só agora cheguei na sua proposta... bonita! gostei que serão crisálidas colaborativas, também quero por a mão na terra!
abraço e boa sorte
25. lea martins
10/01/2011 08:44
em tempos de discussão sobre o impacto da sobrevivência do meio ambiente junto ao homem, eis que temos a chance de apreciar na arte um recomeço,seja ele um ninho,uma crisálida... por meio dessa reflexão de interação onde, por vias da poética artistica que nos oferece o trabalho do Gilio a gente se reconecta aos valores e a consciência de que somos Um...construindo novamente a capacidade de interação entre o homem e sua herança de vida no planeta...
26. Daniel Seda
10/01/2011 02:23
Oi Gilio,
O Tiago tem razão, acho que as propostas se compõe: um objeto luminoso (mas tímido) e um casulo opaco que se oferece ao olhar.
Seria interessante mesmo compô-las talvez na mesma árvore ou em árvores vizinhas...

Torçamos (e votemos, rs).

Abs
:)
27. Tiago Cardoso Gomes
08/01/2011 20:14
É uma idéia genial. Fico pensando se isso pdoe ser multiplicado, colocado em mais arvores em mais lugares. Imagino o seu projeto junto ou proximo ao projeto do Daniel Seda.
O efeito visual ficaria único.
Excelente trabalho!
abraços.
28. Aline Midori
08/01/2011 13:34
Ei Gilio, você conhece a história da "Princesa que amava insetos"? Conto japonês duma apreciadora das lagartas, que logo se vestiriam como crisálidas.
Aí a gente lembra delas mascando as folhas, sugando o caldinho, compondo a fibra de sua proteção.
Já pensou colocar a turma para mascar uns pedacinhos de cana ou outro vegetal? Matéria de Arte!
Parabéns, quero conhecer de perto seu trabalho
amplexo fraterno
Midori
29. Khalil Charif
08/01/2011 02:09
Obrigado pelo comentário Gilo...seria maravilhoso, é claro!!!
Vamos somando Forças!!!

Nos falamos mais adiante...
Grande abraço
30. Khalil Charif
08/01/2011 02:09
Obrigado pelo comentário Gilo...seria maravilhoso, é claro!!!
Vamos somando Forças!!!

Nos falamos mais adiante...
Grande abraço
31. Khalil Charif
06/01/2011 18:01
Gilio,
Esse link dos seus trabalhos anteriores é muito bom!!! Peguei lá no seu post da Mariana Soares Leme (SP)...rsrs

http://gilioarte.blogspot.com/

Pessoal, tem que conferir!!!
Artista de primeira grandeza...

Força aí Gilio!
abs


32. mariana de matos
06/01/2011 12:29
gilio, os materiais que serão usados no meu trabalho não foram listados nem tão pouco escolhidos. virão da busca, e serão o que
necessário for, pra conseguir transpor e representar a complexidade que há na vida comum, nas pessoas que exercem seus cotidianos, alheios a qualquer conceituação ou procedimento artístico. literatura, fotografia e desenho.
creio que estas são minhas linguagens companheiras.
seria um prazer participar de sua proposta artística. tenho familiaridade com o que propõe, e me interesse por este tipo de INSTALAR. troquemos idéias.
há ou não há muita beleza nas criações que já permeam o mundo?
33. Mariana
05/01/2011 21:18
Oi Gilio,

Como vai? Lembro de vc claro, considero seu trabalho interessante e coerente com o ambiente de Terra Una.
A materialidade a ser experimentada e elaborada parece libertadora e significativa.
Acho importante sua preocupação com a orientação conceitual e técnica para execução do trabalho que será coletivo, em seguida vc diz que fará uma explicação sobre a origem e intenção da obra, fiquei interessada, teria como falar um pouco mais sobre isso?

Grata, grande abraço!
34. Tiago Folador Galter
05/01/2011 21:12
Uma obra muito minusiosa e sensivel, coletiva e impresionante a disposição de várias em um árvore...estamos ai...
35. Flávia Paiva
05/01/2011 15:51
eu lembro que ano passado eu tinha até pesquisado sobre as crisálidas. rsrsrs
Agora aqui com a vontade de realizar dentro ta terra! pois o trabalho já é por si!
lindo!!!
mão na terra!

e pacerias feitas!
36. rodrigo d'almeida
04/01/2011 23:44
Oi Gilio, estamos aqui novamente participando desta inovadora residência artística com excelentes artistas.
Homocrisálida é um projeto visualmente lindo que trabalha com inúmeras possibilidades.
Conceber, gestar, nascer e desabrochar.
Espero poder colaborar com seu projeto no ambiente de Terra Una.
Um grande abraço.
Rodrigo
37. Aline Cristina da Silva
04/01/2011 19:38
Oi Gilio! Que bom que somos vizinhos!!!

Conheço so por nome o Secchi, mas ele é um grande amigo de um amigo meu aqui de RC. Como passei um tempo fora retornei agora pra RC estou me reintegrando com os artistas locais e espero trocar alguns projetos. Nos falemos e troquemos mais infos!

Forte abraço
38. Khalil Charif
04/01/2011 16:42
Oi Gilio,

Seu desenho, as imagens e a escrita passam muito bem a idéia do projeto.
Criando esses simulacros, lembrei do Andy Warhol que o usou muito isso também, pintando aquelas caixas pop de madeira e fazendo parecer de verdade... E antes claro tantos outros. Aliás depois de Duchamp (sempre ele...rss) fica difícil se posicionar, ficamos sempre devendo uma referência. A gente acaba achando alguém pra dizer que já viu algo assim...rss

A tradição de buscar "o novo" não é uma questão pra vc, certo? O importante é contribuição do questionamento que cada obra/artista traz.

Uma leitura interessante que vc fez, a meu ver, é que aqui você leva o simulacro pra natureza e a repensa, coletivamente.

A possibilidade de interação/troca ali em Terra UNA vai contribuir muito para o trabalho, tenho certeza!

abs
39. Elvis Almeida Oliveira
04/01/2011 14:49
Olá, Gilio!
A intenção é problematizar e sair da área de conforto.
Boa sorte!!!
40. Leandro César
04/01/2011 01:42
Vamos sim, n'alguma oportunidade construir algum instrumentos.

Som, matéria natural da imatéria.

Vamo que vamo!
41. Giovanni Ferreira de Souza
03/01/2011 22:59
Muito bom o projeto Gilio,
construir uma forma com matéria orgânica e depois confrontá-la no seu próprio ambiente coloca o objeto artístico em diluição com a paisagem natural.

Sucesso na proposta!