RESIDÊNCIA ARTÍSTICA Terra UNA

Interações Florestais 2011

aCORdar... uma dança pessoal em poesia corpórea



De: Mariana Vilela

Ação, SP

A Proposta

Quando uma mulher em uma tribo africana sabe que está grávida ela sai para a mata,reza e medita até ouvir a canção da criança.Então retorna a tribo e ensina a canção a todos os outros.Quando a criança nasce,a comunidade se reúne e canta a canção pra ela.À época do casamento,a pessoa ouve sua canção.Finalmente quando está pronta para sair deste mundo ouve mais uma vez a sua canção.Para esta tribo quando alguém,em algum momento de sua vida,comete um ato anti-social é chamado ao centro da vila e as pessoas da comunidade formam um círculo ao redor dele e então cantam sua canção para que a ouça...O objetivo desta Ação é buscar num lugar desconhecido a minha canção e DANÇÁ-LA.Fazer do meu corpo um livro onde eu possa cartografar a minha poesia.Fazer destas descobertas um despertar para o outro,o outro como co-autor da obra.A relação com o espaço é imprescindível não só para a descoberta da dança, mas para a composição plástica,que será registrado num LIVRO DE ARTISTA.Compor uma obra no qual as linguagens artísticas não só se borram mas se atravessam é o desafio desta Ação,que justifica-se com a máxima de que a REVOLUÇÃO SOMOS NÓS,primeiro passo para uma Escultura Social (Joseph Beuys).

Interação com o Ponto de Cultura

A Ação aCORdar... só se compõe na interação com o outro.A relação entre o Eu e o Outro é o espaço do Acontecimento,é com o outro que há possibilidade da falha,a falha como lugar do imaginário e do simbólico,por isso busco trabalhar com coletivos.Nesse sentido,propõe-se vivências diárias de 40 mim em horários diferentes na ecovila para os participantes e moradores.Uma vez por semana realizar uma vivência de 2h em algum lugar da cidade(a ser estipulado pela organização),para qualquer tipo de público.A vivência intitulada:aCORde tem como objetivo despertar no outro sete corpos que compõe o nosso EU:corpo físico,plástico,emocional,intelectual,lúdico,sensível-intuitivo e espiritual.Com isto, possibilitar ao participante a busca da sua dança pessoal e no encontro da sua dança compor com o espaço/tempo e com o cosmo uma dança viva e genuína,não produzida e não coreografada. Como despertar no outro a sua dança?Esta pergunta tem sua resposta somente numa prática diária, mas tem-se um possível caminho esboçado:a partir da consciência corporal,de práticas respiratórias,do Butô(dança das sombras),da escritura corporal,escrita automática e bordado.As vivências farão parte do livro de artista.

Sobre o artista

Após morar um ano na Floresta Amazônica,volta para BH e torna-se artista-pesquisadora,educadora e ativista,participa do grupo de trocas:ESCAMBO,economia solidária.Forma-se no Teatro Universitário da UFMG,em 2003.Já em São Paulo forma-se em LETRAS pela FASB.Atuou durante 6 anos como atriz, cenógrafa,figurinista e diretora teatral. Desde 2008 vem desenvolvendo uma pesquisa sobre linguagens híbridas na ECA-USP.Participa do Atelier do Centro (SP) e da FIU(Free Internacional University,criada por Joseph Beuys).Atualmente coordena o Coletivo Ambulante,que atua nas áreas de Performance e Intervenção Urbana,em 2009/10 foi contemplado pelo VAI-SBC com projeto PAISAGENS URBANAS...UM LABIRINTO.Durante o ano de 2010 articulou discussões sobre Arte Contemporânea na Cidade de São Bernardo e Ribeirão Pires com as Ações: Debates e Primeiras Leituras,realizados na Pinacoteca e no Ponto de Cultura ARCA.Desenvolve e pesquisa a dança pessoal. Como educadora deu oficina de cenário/figurino e de teatro em São Bernardo e Diadema.Foi coordenadora pedagógica das oficinas culturais do projeto Diversidade Cultural nas ondas da Heliópolis,contemplado com o PROAC-2008. Atualmente dá aula numa escola Waldorf.

Comentários

1. Mayra Martins
27/01/2011 21:18
Ola, tudo bem? Dentro da tua proposta para terra una e para o ponto de cultura, você traz a dança pessoal como mote. Fiquei curiosa para saber se você entende que cada pessoa só tem uma dança pessoal ou se ao longo da vida estas danças vão aparecendo e compondo com cada momento... são dúvidas de quem não tem conhecimento nenhum nesta área! obrigada
2. Carolina Lemos Coimbra
21/01/2011 15:14
Quantas poesias tem (contêm - estão no - fluem do) corpo de uma mulher?

Sorte! :)
3. Flávia Paiva
20/01/2011 11:04
os pontos que se ligam são os pontos que estão em movimento... rsrsrssr
4. Flávia Paiva
19/01/2011 22:23
a pele é a fronteira do dentro e fora do corpo. o transito acontece e vc exprime na pele as palavras do sentido.

inspirações...
5. Amanda Freitas
18/01/2011 20:50
Muito bem resolvida a sua proposta. Sua atuação perpassa diversos campos, e a constância das ações cria um movimento intenso. Mexer o corpo e induzir outros a movimentar o corpo é sempre catalisador de processos fortes a serem manifestado em poesia...canção,corpo,palavra...
Ótimo!

Boa sorte!

Luz.
6. Douglas Pego
17/01/2011 15:34
bonito seu trabalho Mariana. Olhei o blog. tem bastante coisa pra ver. Vc pensou em registrar com video essas suas ações da proposta? hum, ...seria bacane heim?!
7. Aline Midori
15/01/2011 17:14
Bela história, Mariana. A dança acontece com o canto, com um batuque? Ou nem precisa dos dois?
Vale conhecer formas diferentes de motivar a dança, mesmo.
Boa sorte!
Midori
8. Angelo Luz
15/01/2011 13:12
Olá Mariana!

Sua proposta de "ouvir" o ambiente tem muita relação com o que estou propondo. Essa ampliação da sensibilidade para encontrar o motivo da obra. Tenho trabalhado com florestas a dois anos e nesses ambientes a percepção se expande muito, por isso acredito bastante no potencial da sua proposta.

Somos colegas da UNI! Joseph Beuys é um norte para mim.

Um abraço e boa sorte!
9. Khalil Charif
13/01/2011 17:41
"A ação se faz no presente momento e só ele diz o que será". (Peguei emprestado no seu blog, queria sublinhar isso que é tão próprio Daqui)

Linda a hístória da canção...

São tantas as proximidades e entrelaçamentos com o que eu penso enquanto arte, que fica pra mim difícil não me encantar com sua proposta. Não que eu tenha alguma resistência ao "encantamento", que ele venha e quanto mais melhor pra alma... e veio.

E ele veio assim, sem pedir licença, tomando conta de mim...

Belíssima proposta!
Parabéns Mariana!!!

(Eu Volto...)
10. Ana Reis Nascimento
11/01/2011 19:52
oi mariana,
escritas no corpo me trazem sempre a referência do filme 'livro de cabeceira' do peter greenaway, talvez vc conheça. se n conhecer vale a pena procurar, é muito poético.

abçs,
11. Thais de Almeida Prado
10/01/2011 14:56
dançar o eu... memória em movimento
escrever do eu... palavras desenho sobre o corpo.
mas e seu eu não souber qual eu eu sou?
bom pra descobrir, bom pra fluir os muitos eus.

12. Gilio Mialichi
08/01/2011 18:39
Oi Mariana

Quanta proposta inscrita de qualidade...cada um com sua poética, objetivo e conhecimento adquirido durante a vida...

Aqui todos temos muito a oferecer e aprender também...e é por isso que estamos juntos nessa.

Aproveito para convidar aos que ainda não visitaram e apreciaram os projetos para fazê-lo. Vale muito a pena...pessoas novas, conhecidos, dúvidas, poéticas semelhantes,surpresas, emoções....diversidade!!!

Minha proposta inscrita é "Homocrisálida"... passem por lá e registrem suas impressões.

Também tenho um blog com imagens de outros trabalhos que contam um pouco da minha história artística. Se puderem visitem:

gilioarte.blogspot.com

Escrevam.......... gmialichi@hotmail.com

Até

Gilio Mialichi
13. Cindy Quaglio
05/01/2011 12:45
um belo desafio esse de encontrar sua danbça pessoal, é preciso coragem p não cairmos nas armadilhas das coisas prontas... de uma maneira diferente também quero chegar ao essencial.
boa espera!
14. Gilio Mialichi Neto de Oliveira
03/01/2011 19:13
Oi Mariana

Sua performance tem um forte cunho religioso e realmente se integrará muito fortemente com a natureza...é um ritual. Também já tive experiências com performance art e realmente são momentos muito especiais.

Parabéns e muito boa sorte

Gilio Mialichi
15. Tiago Folador Galter
01/01/2011 01:35
que as terras de Terra una emane a mais bonita canção para você...