hominidae

De: Ricardo Alvarenga

Ação, PR

O Projeto

Um hibrido de performance e instalação, se desdobrando em vídeo e fotos, a partir da ação, em que o performer enrola o tronco de algumas árvores, com dezenas de metros de fios brancos, de malha (espessura 5 mm) e permanece habitando-as por horas ou dias. Levando consigo uma bolsa feita dos mesmos fios contendo frutas, um ipod e um livro.

O corpo através de fluxo de respiração e tônus vai se amoldando ao tronco encontrando novas corporalidades e formas, adapatadas a permanências dilatadas no tempo, em diferentes nichos da árvore.

Uma relação de troca de ki (energia vital) é estabelecida entre o corpo e a árvore levando em consideração a pulsação de ambos a partir da circulação de fluidos.

Na residência na Terra Una, a ação será realizada em algumas árvores, seja com permanência ou apenas tramando fios. O convite se estenderá a outros residentes que porventura queiram se integrar a performance.

Vivencias de sensibilização de percepção e extensão de ki poderão ser compartilhadas como processo de trabalho.

Interação com o Ponto de Cultura

A proposta de vivência no ponto de cultura está relacionada a produção de um vídeo arte, ou documentário a partir da sensibilização e identificação das relações afetivas, emocionais, culturais ou estéticas que este público tem com o domínio morfoclimático local, onde vivem ou atuam – a Serra da Mantiqueira (em tupi-gurani: serras que choram), na mata atlântica. Procurando perceber relações culturais ligadas ao meio natural.

Os participantes serão estimulados a simbolizarem estas relações por distintos meios, pertinetes a cada indíviduo, estando livres a qualquer tipo de manifestação.

Imagens serão captadas segundo as escolhas dos participantes e do proponente.

Como se trata de uma pesquisa de campo em aberto; fica também a possibilidade de intervenção com os fios brancos feitas pelo público em árvores por eles escolhidas, estabelecendo paralelos com o projeto do proponente na Terra Una.


Mais informações em

Sobre o artista

Graduado no curso de Ciências Biológicas; Universidade Federal de Uberlândia – MG.

Trabalhou com dança contemporânea no coletivo Maria do Silêncio Engenho Dança, no Uai Q Dança Cia. do Triângulo - Uberlândia - MG e na Cia. Municipal de Dança de Caxias do Sul - RS, entre 2000 e 2006.

Teve um trabalho autoral selecionado pelo Rumos Dança Itaú Cultural 2003.

Em Caxias do Sul e Porto Alegre, dirigiu, concebeu, e fez desenhos de luz de alguns espetáculos de dança, música e teatro.

Atualmente tem estudado e trabalhado com performance, fotografia e vídeo. Reside em Curitiba – PR onde esta finalizando uma residência na Casa Hoffmann - “analogias”. Seu trabalho mais recente, “hominidae”, foi selecionado no edital de artes visuais ‘arte móvel urbana’ em Uberlândia-MG, cuja ação gerou uma exposição de vídeo e fotos em galeria.

Concebe, produz e edita trabalhos áudio-visuais como o vídeo-arte: “dimensões”; o documentário “venda”, e o doc ficção “hominidae”, feito a partir da própria performance.

Recentemente fez workshop de performance com Marco Paulo Rolla (BH) e Shima (SP).

Tem estudado desenvolvimento de ki e relações corpo ambiente com o sansei Wilson Sagae.

Comentários

1. Wagner Rossi Campos
13/01/2010 09:47
As trocas aconteceram durante esse processo e continuarão....

Obrigado pelo seu voto!
2. Luisa Vidal arqueologias
13/01/2010 00:15
Olá, parabéns! Depois do prêmio o que fica? Vamos trocar email e conhecer melhor nossos projetos.
vidalluisa@yahoo.com.br
3. Wagner Rossi Campos
12/01/2010 22:22
Ricardo, parabéns pela conquista!

abração e mantemos contato tá!
4. ricardo alvarenga
12/01/2010 19:00
a todos que passaram por aqui e votaram no projeto hominidae, meu muitíssimo obrigado!

esta residência, desde que conheço o projeto, é uma experiência que desejei muito.
acredito que será muito intensa.
farei o melhor que conseguir.

certamente será uma vivência muito significativa.

agredeço a oportunidade.

grande abraço e luz a todos.

se alguem quiser fazer contato: provisoriocorpo@hotmail.com



5. Jean Sartief
12/01/2010 14:15
Oi Ricardo,
Parabéns, cara! Com boas energias!
6. Frederico Filippi
08/01/2010 17:01
Oi Ricardo,

Tudo bem? Cara, primeiro queria agradecer a troca, fiquei pensando muito nas coisas que você disse e depois queria agradecer de novo e enormemente a sugestão da Filogenia. Comecei a pesquisar e me perdi num mundo sem fim, ainda tô nele, valeu!
7. Gabriel Netto (Natural Common Sense)
08/01/2010 14:25
Ricardo,

Não sei se entrou já, mas pode ver um projeto parecido ao "Natural Common Sense" no site (a foto que voce gostou é um fotograma do começo do video e aqui pode assistir em movimento.)

http://www.andar7.com/7Andar/Video/Entradas/2009/12/1_Sobre_Mar.html

Abraços!
8. Luciana Ramin
08/01/2010 12:01
Salve!

Adorei sua proposta, muito bacana essa interface entre performance e instalação.

muita sorte!

bjons.

9. rodrigo D´almeida
08/01/2010 11:10
E ai Ricardo,
votei na sua proposta mano e eu acho que o projeto hominidae vai ficar sensacional em Terra UNA.
Deixo meu email para que possamos trocar idéias.
rodrigo@terramagica.com.br
Um abração
Rodrigo
10. Fabrícia Almeida Batista
05/01/2010 22:03
Oi Hominidae!
Nossos projetos tem um foco comum mesmo! Espero que possamos viver esta experiência Terra Una.

Abraços e boa sorte! =)
11. Daniel Ayer Quintela
05/01/2010 15:29
Ricardo meu caro,

sua apropriação sobre o ambiente é bem ativa e aguda.
Sucesso até meu caro.

Abraço.

Daniel
12. daniela carrasco
05/01/2010 11:33
adorei a proposta do seu trabalho.. adoraria fotografa-lo ... vai ser incrível
vamos manter contato me add no msn azulerosa@hotmail.com

bjos e sorte

daniela
13. Rosane Felix Ferreira
05/01/2010 07:20
torço que nos encontremos... para tecer interações. bjo ni
14. Isabel Tornaghi - I CHING, caminho para uma ecologia sutil (http://memorialit.ning.com)
05/01/2010 07:17
MUITO LEGAL, quero me pendurar contigo! e que bom q vc gostou do meu projeto também, vou adorar trocar figurinha mesmo que não seja em TU! Prazer, boas sortes! bjsabçs, béu
15. Rosane Felix
05/01/2010 03:00
vitalidade total... sorte.
16. Mariana de Matos
04/01/2010 19:32
estou com vc.
17. Fábio Soares da Silva
04/01/2010 16:00
Beleza Ricardo.

Muito boa captação e muito curiosa a performance. Sorte pra gente trocar essas idéias artísticas. Bom ano, Valeu!
18. ricardo alvarenga
04/01/2010 12:49
oi van!

o ipod faz sentido quando faço a performance na cidade. ele carrega em si um contexto de tecnologia ao hominidae solitário que habita árvores.
na mata ele realmente não faz sentido. não usarei.

mudanças no projeto, que segue aberto ao meio e as resiginificações...

obrigado pela visita e questionamento.

abraço.
19. Flavia de Paiva Coelho
04/01/2010 10:19
é dificil fazer a escolha no ato de votar, com tantos projetos e possibilidades infinitas...
Aqui é só o começo de novos rumos.


flaviapaiva007@hotmail.com

Sorte!
20. van jesus
04/01/2010 00:56
muito legal este projeto de misturar seu corpo com o das arvores e com fios brancos..
mas por que o IPod?
21. Rosa Damasceno Paranhos
02/01/2010 22:05
Boa sorte!
22. virginia maria neves baptista
01/01/2010 20:54
Oi Ricardo.
Andei relendo teu projeto e acho que é um dos mais ousados e requer uma entrega enorme ao meio.
Fiquei com vontade de vê-lo realizado e presenciá-lo e quem sabe até participar dessa conexão animal-vegetal.
Tomara nos encontremos em Terrauna.
Abraço Virginia.
23. mariana bezerra monteiro
30/12/2009 17:40
muito interessante a sua proposta Ricardo, com certeza uma experiência que eu gostaria de viver e registrar... eu amo as árvores. viva a consciência vegetal!!!
feliz ano novo!
boa sorte!
beijo
Mari
24. ricardo alvarenga
30/12/2009 03:34
oi pessoas artistas viventes!

agradeço a todos que tem passado por aqui e deixado seus comentários.

esse processo de trânsito entre os trabalhos tem sido uma vivência muito rica.
redes orgânicas vão se formando, estendendo micélios, diminuindo fronteiras, aguçando olhares e pensamentos.

muito legal conhecer o trabalho de vocês e trocar idéias.

agora saio um pouco do cyber espaço.
vou colocar os pés na terra, tomar banhos de rio e cachoeiras, cozinhar piqui no mato e subir em árvores.
uma boa forma de começar o ano!

desejo a todos um 2010 cheio de energias, experiências e possibilidades.

abraços
hominidae


* se houver novas questões sobre meu trabalho, respondo no dia 02.
25. Ricardo Alvarenga
30/12/2009 03:19
Oi Hélène!
muito obrigado pelos comentários e questões sobre o meu projeto. foi um texto generoso.
aprendemos muito com o olhar do outro, e aqui tem sido um bom espaço de troca.

sobre o Ki, temos muito a experimentar e aprender; não é dificil perceber a energia da matéria viva; ela se apresenta de muitas formas e nos temos muitos canais sutis de percepção que estão além do que nos ensinaram social ou culturalmente. podemos sensibilizá-los a partir de práticas conduzidas ou mesmo pelo silêncio e atenção.
neste sentido a respiração pode ser elemento fundamental.

o significado etimológico mais tradicional de ki traz uma imagem bem sensível: a do 'vapor subindo do arroz enquanto cozinha'

poesia sensorial.
26. ricardo alvarenga
30/12/2009 03:19
quantos as perguntas que me fez em relação ao projeto; digo que, embora a proposta esteja clara e direcionada, muitas coisas estão em aberto e muitas respostas somente poderão ser dadas pelo ambiente. site specificity.
a escolha da árvore é bem critériosa segundo necessidades do trabalho, seja de ordem técnica, estética ou de outras que escapam à razão. quem sabe até as árvores possam me escolher?
não sei em quantas farei a ação, nem se serão próximas ou distantes, de espécies semelhantes ou distintas. ou ainda como vou compor visualmente o trabalho enquanto instalação - residuos das ações; ou mesmo como pensar as fotos e o vídeo.
estarei aberto e presente.

pretendo estender a proposta para outros residentes. não sei se haverá adesão ou não, de quantos, por quantas horas ou dias. e como se dará o comunicação destas vivências.
aposto na construção coletiva das idéias neste caso.

também é possivel que passe a noite em alguma árvore. e provavelmente não levarei ipod ou livro como prevê o projeto. repensando, conclui que estes elementos são significativos quando faço na cidade. na mata, outras percepções e estímulos me aguardam.

já vivi momentos de intemperies fazendo a performance em centros urbanos; já tive que adiar por chuva, já tomei chuva durante, já tive que fazer durante dois dias muito frios em curitiba porque tinha que aproveitar a autorização da secretaria de meio ambiente e urbanismo que tanto tentou me serciar, depois de anteriormente quase ter tido voz de prisão por estar sobre uma árvore sem autorização.
e dale casacos!
acho que as intemperies serão fatores menos complicadores neste caso, por ter um mês de residência.

quanto a desenlaçar as árvores, é algo a ser decidido durante a residência juntamente com os responsáveis pela ecovila. ainda não tive a oportunidade de deixá-los em nenhuma árvore. acredito que os fios resistam por um bom tempo no ambiente.

bom, como vê o projeto segue em aberto; esperando a oportunidade de se configurar segundo o meio, o tempo, as relações e possibilidades.

mais uma vez agradeço as colocações

deixo um abraço carinhoso
hominidae
27. Ieda Genizelli
29/12/2009 23:10
Oi novamente Ricardo!
Gostaria de continuar conversando com você, como falei me interessei muito pelo seu projeto.. pode me passar seu e-mail?

Até!
Abraço.
28. Hélène Arthur Delmonte
29/12/2009 14:37
Ricardo,
subir em árvore é muito bom!!!
Tecer teias, também!!!
Sou, ex-futura-bióloga, que abandonou o ambiente acadêmico, subiu as montanhas, para estudar um curso que se faz com a vida...
Atissou minha curiosidade essa troca de Ki com as árvores. Deu vontade de aprender.
Trabalho com fios, linhas, cordas e lã de carneiro, fazendo fios... desde muito tempo.
Teci uma teia em uma peça de teatro uma vez, com uma lã perfeita para tal, com muita lanolina, a ponto de grudar nos meus dedos... o que me fazia sentir mais aranha do que nunca. O entrelace dos fios foi perfeito.
Mas, senti o que muitas vezes acontece: no dia seguinte, na hora de ir embora, de cima da minha escada soltei as amarras, no canto do cômodo da imensa e antiga casa (da cultura)... e, minha teia virou um bolo de fios grudentos - sabe, que nem as teias que grudam nos nossos dedos...

Fico curiosa, no entanto, de entender como pensa em ocupar este espaço... de várias árvores? conectando-as para andar por cima, nas copas? já pensou no frio da serra?
Em maio pode cair até geada!
E depois, na hora de ir embora, vai desenlaçar as árvores?
Todas essas perguntas povoam meu ser, porque esta idéia me toca.
Um abraço, espero poder subir e tecer também um pouco dessas teias - compartilhar de um espaço para reflexão, silêncio... eu precisarei disso (de vez em quando) para poder sistematizar e recriar rumos e roteiros novos...
Inté
29. rodrigo D´almeida
28/12/2009 19:44
Oi Ricardo, tudo de bom é a proposta "hominidae".

Fico muito interessado nas práticas de corpo/energia/ambiente ligadas a natureza e vejo
no seu trabalho possibilidades imensas de reflexão, auto-conhecimento e interação.

Neste ultimo final de semana estava com meus filhos
subindo umas árvores num parque daqui de Petrópolis e lembrei do seu projeto.

Olha meu irmão, espero que possamos trocar idéias
lá em Terra UNA e mesmo em qualquer outra oportunidade pois este prêmio que ótimo da tb a nos a possibilidade de conhecer trabalhos interessantes
e artistas muito interessantes.

Obrigado e um abraço.
Rodrigo
30. raquel versieux
28/12/2009 19:15
ei ricardo!

amarrar uma árvore se amarrando a ela é deixar-se ser árvore ou que árvore seja homem. pra mim, essa vontade muito forte de estar junto-amarrado serve mais para anular diferenças do que para reafirmá-las (ainda que com ipod e livro); como se a malha fosse suas raízes.

acompanhando o bate-papo dos comentários, vc me parece bem consciente e certeiro da sua ação, o que é bastante admirável, literalmente tudo bem amarrado.

com certeza seria um prazer encontrá-lo nesse projeto!

abc







31. André Ricardo
28/12/2009 19:07
Oi Ricardo!

Primeiro gostaria de agradecer ao comentário que vc fez sobre meu blog. Aliás, hoje incluí fotos de trabalhos novos!!!
Gostei muito do seu trabalho. Assisti o vídeo e fiquei impressionado com a força poética que sua ação adquire no espaço urbano.

Um abraço!
Boa sorte!

André R.
32. ricardo alvarenga
28/12/2009 12:55
oi wagner!

provavelmente tenha visto meu vídeo no MIP. registro de uma ação feita em curitiba. o vídeo que postei no projeto, foi feito em uberlândia-mg.

certamente este trabalho na mata tem conotações diferenciadas de quando faço na cidade. o ambiente e a interferência do público passante gera outros campos energéticos, atravessamentos e significados.

em terra una, será uma experiência mais sensorial e intimista, com uma percepção mais direta dos corpos animais e vegetais na mata, se aproximando mais ainda do projeto 'hominidae' - (superfamilia que engloba todos as espécies do gênero 'homo', mais orangotangos, gorilas e chimpanzés.)

será que conseguimos acessar memórias ancestrais a partir de determinadas ações?

tenho praticado recentemente um exercíco chinês milenar de troca de energia com as árvores que é muito forte. seguindo instruções de um sansei japonês com quem faço aulas de expansão de ki. as árvores são entidades muito intensas. é surpreedente a interação com elas.

penso que a vivência e os registros serão incríveis na mata.

agradeço os comentários e ainda mais o convite em habitar a árvore em frente a sua casa. fiquei tentado em fazer isso. quem sabe em breve.
tem foto dela?

gostaria de seguir falando contigo.
provisoriocorpo@hotmail.com

grande abraço.
33. wagner rossi
28/12/2009 10:16
Ricardo, em frente a minha casa, em BH, tem uma árvore enorme. Muito linda e especial. Deito na rede, na varanda e fico a olhar os pássaros voando em seus galhos, as folhas que caem lentamente, suas ramificações, sentidos. Isso me acalma.
Em setembro, o Paulo Nazareth fez uma ação usando essa árvore para subir pelas paredes do meu prédio. Foi muito especial aquilo!
Quem sabe vc não passa alguns dias nela?

abração
34. wagner rossi
28/12/2009 10:11
Ricardo,
recentemete vi um video seu, ou que apresentava vc morando por um tempo em uma árvore numa praça.. agora não me lembro bem onde foi???
Enrolado em fios, vc se alimentava e se contorcia por entre os galhos. As pessoas viam aquilo, aquela presença irregular, desconexa e não conseguiam perceber o que aquilo podia significar nesse mundo tão obvio.
Algumas se sensibilizavam, buscavam classificações, sentidos... Foi bacana!

Para Terrauna, seu projeto já é um acontecimento diferente daquele, naquela praça. Me parece vital, arquetípico, menos contestatório. Não que não o fosse, na cidade grande, mas, nesse caso, a energia que se troca entre os corpos é mais direta, presente, integral...
O Homem das árvores. Um "primata"!!!????


Quero subir nessas árvores também....

um abraço e sorte
35. simone
28/12/2009 10:04
olá ricardo, valeu pela visita e comentário :)

bem legal tua proposta, vc é quase o spiderman! acho que biólogos-artistas podem ser elos bem interessantes na residencia do terra una, para além do projeto individual. uma curiosidade: qto tempo vc ja ficou ali?

gostei tb de saber do tupi guarani, achei ainda mais bonito a serra ser chamada assim.

boa sorte pra nós entao! um abraço
36. Adrina Barbosa Rocha ( Drica Rocha)
27/12/2009 20:40
olá ricardo, muito grata pelo comentário no meu projeto de video-performance de dança com argila.

Quero me pendurar junto e fazer imagens também!!!


abraços,
Drica Rocha.
37. Yasmim
27/12/2009 19:43
Oi Ricardo! Nos conhecemos no workshop da Verbo! lembra?!!
Bacana essa vivencia na arvore!!
Boa sorte!
beijos,
Yasmim
38. wagner rossi
27/12/2009 19:17
Ricardo,
muito bom seus comentários sobre práticas de reconhecimento de movimentos internos.
Eles são as potências das ações externas, os fluxos, as percepções - subjetividades...

Vou dar uma olhada na net sobre o assunto. Obrigado!

Os juizos de valores, por si só, já são classificações. Se pertinentes ou não, isso não vem ao caso. Quero reforçar a inutilidade das utilidades e de como nos baseamos em circunstancias mutáveis...
Acho muito legal que vc tenha percebido isso!
Como diz a Flavia, logo abaixo de vc, o silencio diz muito e no silencio podemos ouvir o que é realmente importante. Ou não ouvir nada, o que talvez seja o mais importante.

Penso que, nesse projeto, não existe uma caminho certo a seguir, nem uma necessidade dele acontecer. É pura poesia....

Grande abraço!

Seu projeto tambem ta cheio de comentários rsrsrs
vou dar uma lida no que propõe, pois ainda não fiz isso, e depois de escrevo novamente.
39. Mayra Martins - colher chuva
27/12/2009 17:58
obrigada! tb adorei seu projeto... lembra um pouco o ninho, a morada, aquilo com o que nos envolvemos e que nos envolve para que algo seja criado... boa sorte! abraço
40. Gabriel Bastos Barros
27/12/2009 17:04
Uma vez vi o seu video numa coletiva aqui em curitiba, de uma ação realizada na rui barbosa. Realemente seu projeto tem tudo a ver. um abraço!
41. Jean Sartief
27/12/2009 13:57
Tudo lindo...obrigado pela mensagem. Senti uma energia tão boa de ti...parece loucura, né? Mas acredito nessas coisas! E tb me identifico com esse ato de instigar a percepção das emoções dos outros.
42. Ieda Genizelli
26/12/2009 22:44
Oi!
Ah...vamos torcer para nos encontrarmos em Liberdade, gostaria de fazer registros seus também, seu projeto diria que é bem "exótico"...adorei!
Beijos!
43. Filipe Berndt Julio
26/12/2009 20:16
respondi seu comentário dentro da página do meu projeto: http://www.terrauna.org.br/if2010/projetos/ver/24-intera-o-florestal-pacifica

Obrigado pela visita e interessa.

Abraço!
44. BARBARA RODRIGUES
26/12/2009 19:24
olá Ricardo,
obrigada pela visita ao projeto e ao blog!
legal sua proposta!
abraços
45. Rubens Pileggi Sá
26/12/2009 17:32
sobre a pergunta das "armadilhas", agradeço sua participação lá no meu "ninho", e lá vai a resposta:

armadilhas, no sentido de prender a atenção das pessoas e, assim, estabelecer contatos e aproximações. A palavra armadilha foi usada porque esses animais que estamos tentando "capturar" não são "animais de verdade", mas animais míticos, como o minotauro, animais que residem no fundo da imaginação humana (chupa-cabra, boto-cor-de-rosa, mulher-gorila, etc). Ao mesmo tempo que são muito verdadeiros, pois constituem cultura, religiosidade, forças que indicam noções de cultura.
46. Luisa Vidal de Oliveira
26/12/2009 16:25
Olá,
É exatamente nisso que penso com esse projeto, como num resgate do conhecimento visual que já temos da natureza (porém adormecido).
Adormecido por questões culturais como vc mesmo deve saber, mas estão lá, e busco essa sensação de "Eu conheço isso mas não me lembro muito bem o que é..." pra tentar me lembrar cada vez mais e descobrir conhecimentos antigos em mim.
Espero com a oficina perceber também se isto é real para os outros e de que forma. A observação e a representação são formas de ativar a memória...
Obrigada e boa sorte!

Luisa Vidal.
47. Sirlanney
25/12/2009 21:42
Eu subiria junto!

Obrigada pelas palavras :)
Abraço.
48. Gustavo Peres
24/12/2009 20:52
Que profunda troca de energia. Linda interação.

Posso subir junto?
Sem ipod nem livro, só banana e água...

Boa sorte e obrigado pelo teu comentário
Gus
49. Bruno Farias de Mello Freire
24/12/2009 16:45
hei Ricardo.

sim, a gente quer fazer caminhadas.
caminhadas sem rumo.
caminhadas solitárias.
caminhadas com vendas.
caminhadas em grupo.
caminhadas conversas.
conversas caminhadas.
se perder na mata e voltar pra residência!

e obviamente vc está convidado.

abraço.

50. Claudia Hersz
24/12/2009 12:30
Obrigada, Ricardo, se formos pra Terra Una vai ser um prazer a convivência e a troca.
seu projeto tangencia, realmente, o ninhumanos. Legal demais.
Bacana o ritmo do video.

na verdade, aquela árvore é uma figueira da índia. suas raízes aéreas vão crescendo e se acoplando ao tronco e formando reentrâncias que formam espaços que são verdadeiras habitações, e isso se dá na altura dos galhos, também, a 4, 5 metros de altura...

abraços!
51. Claudia Hersz
24/12/2009 12:30
Obrigada, Ricardo, se formos pra Terra Una vai ser um prazer a convivência e a troca.
seu projeto tangencia, realmente, o ninhumanos. Legal demais.
Bacana o ritmo do video.

na verdade, aquela árvore é uma figueira da índia. suas raízes aéreas vão crescendo e se acoplando ao tronco e formando reentrâncias que formam espaços que são verdadeiras habitações, e isso se dá na altura dos galhos, também, a 4, 5 metros de altura...

abraços!
52. gislaine costa
24/12/2009 09:11
Oi Ricardo!

Que perfomance legal aquela com as beterrabas, valeu pela dica.
Gostei também da sua proposta, gostaria de passar pela experiência, me candidato também!

Beijo.

Boa sorte!
53. Ana Lucia Mariz
24/12/2009 01:53
Valeu Ricardo,
obrigada pelo comentario.
Achei tua proposta inusitada, achei mt louca esta ideia de se "amarrar" na arvore, imagino q mts pessoas so prestem atencao na natureza local da praca ou calcada depois de verem esta performance tua. As coisas estao la, mas as pessoas nao as veem.
Meu trabalho questiona um pouco isto, enxergar no escuro exige um esforco de atencao e percepcao q na maioria das vezes nao temos, mas q e fundamental.
Sucesso em Terra Una.
bj Ana
54. Lucas Dupin
23/12/2009 22:23
Olá Ricardo,

achei muito bonito seu comentário no meu projeto.

Torço para que seu projeto entre e pode contar comigo para habitar uma dessas árvores, caso entre também.

Abs,
55. Stéphanie Campos
23/12/2009 20:20
A idéia de interagir com a natureza, tal qual a idéia dos seres encantados, é comum em nossos projetos e interessante para se perceber em meio ambientes como caatinga e mata atlântica. Acredito que cada ecossistema possui seus lugares de comunicação entre o social e o natural e nós personificamos isso em personagens como caipora, curupira, batatinha, etc...
Propostas de interação com a natureza diretamente parecem instigantes do ponto de vista do entendimento, inclusive de tentar perceber, em Terra Una, a percepção que as pessoas que vivem naquela região possuem, daquilo que as cerca.
Vai ser bom interagir com sua performance =)
Nos vemos!
56. anilem beatriz lima
23/12/2009 17:00
muita sensibilidade e boa resposta!
grata
57. virginia maria neves baptista
23/12/2009 03:16
Olá Ricardo
Obrigada por comenter meu projeto.
A propósito, frases no final foram engolidas. Aqui vão:
Na bagagem quase zero: papel e tecido em branco, cola branca, livros de cabeceira não brancos, carvão negro, pastéis de desenho.

A vivência na arte me ensina: ela é um meio efetivo de transformação. Unir sabiamente arte e ecologia. Isto é um sim, pretendo aprender e compartilhar.
Sobre o teu projeto:
Achei muito ousado e interessante. Essa história de se misturar com os troncos das árvores é muito instigante.
Abraço Virginia
58. Mariana Moysés Binder Silva
22/12/2009 21:39
Meus bichos estão ansiosos para conhecer Terra Una!
59. Anna Thereza
22/12/2009 14:56
Ricardo,
que bonita essas vivências... quero uma árvore dessas como moradia...rs
60. Leandro Rego
22/12/2009 13:33
essas mulheres de perfume urbano, de coraçao selvagem com manias de ventania, são moças com flor na boca e pele resistidas a renascimentos. Rosanas de vestido.

Grande abraço.

Acho teu trabalho necessario

Leandro Rego
61. Daniel Seda
21/12/2009 21:19
haha, foi uma brincadeira mas, já que estamos na era do meme: porque não?

abração
Daniel
62. Vania Câmara
21/12/2009 17:26
Vejo que vc tb é biólogo, deve ter claramente, a imagem do fluxo da seiva e consequentemente a passagem da energia da planta... Mto legal.
Outro dia fiquei desenhando um raminho de Ginko biloba e estava pensando exatamente sobre a passagem dos caldos das plantas e como isso dá forma às suas estruturas... Os desenhos ficaram ruins..hehehehehe mas, os pensamentos valeram a pena!
Obrigada pela explicação, vou ficar antenada na ideia!
63. Jaiva Dharma (Josiane Fontana)
21/12/2009 10:05
Abençoado tempo !

Escrevo a todos trazendo uma reflexão para inspirar nossas escolhas sobre as propostas mais indicadas para este tempo de trabalho nas montanhas de Liberdade.

Muitas são as oferendas de beleza, arte, encantamento.. e há uma motivação sincera para compartilharmos (além deste espaço virtual) um encontro em Terra Una...

Acredito que a oportunidade de participar de um projeto como este para cada artista inscrito é muito especial... mas digo que além desta beleza há uma ainda maior que é a de muitas crianças, jovens, adultos e os ainda "mais adultos"... em receber em sua cidade (de 6.000 habitantes ! que não tem biblioteca pública, além das existentes nas escolas, que não tem sala de cinema, teatro ou qualquer outro espaço onde se possa manifestar a arte... em todos os seus aspectos... ) um centro cultural...

Para que a comunidade sinta-se motivada a chegar até o Ponto de Cultura o convite para as vivências precisa ser claro e ao meu ver que tenha (o projeto) continuidade após os meses do Interações Florestais.

"A passagem do vento em si só trás mudanças
mas se uma semente cai em solo fértil....
quanta diferença !"

Se possível, gostaría de saber como cada participante visualiza a continuidade de seu projeto no Ponto de Cultura.

Ainda estou lendo os projetos...
muita beleza, muita criatividade,
presença do Divino !

Jaiva Dharma (Josiane Fontana)
64. Daniel Seda
21/12/2009 03:00
Cara, eu só li o seu projeto agora, que ótima a sua idéia! Você leu o Barão nas Árvores, do Italo Calvino?

A minha proposta tem um pouco a ver com a sua, ia ser divertido nós povoarmos Terra Una de árvores-moradia para fermentar o próximo meme mundial em arquitetura verde!

Abração
Daniel Seda
(moráveis orgânicos)
65. Vania Câmara
20/12/2009 19:12
Não faço ideia do que seja ki para poder relacioná-lo aos outros conteúdos que vc apresenta, mas achei sua permanência na obra, uma proposta mto interessante! Belas imagens!
66. anilem beatriz lima
20/12/2009 13:37
Liberdade pra dentro da cabeça?
67. Mariana Soares Leme
17/12/2009 23:53
Caramba Ricardo que ousado! ficar horas habitando uma árvore, deve ser ...como vc consegue fazer essa troca de ki? fiquei curiosa.

Um braço, parabéns!
68. Gilio Mialichi
16/12/2009 21:18
Olá Ricardo...Bravo!

Parece que temos muito em comum em nossos projetos. Que lindas imagens essas, principalmente a que você está na água, me remeteram John Millais, na obra "Ofélia" (1852) em uma pintura simplesmenmte maravilhosa.
O fato de você tomar posse de uma árvore e habitá-la, literalmente falando, dá ao seu trabalho formas de apreciação e registros os mais diversos possíveis.
Em momentos vejo força na solidão, mas em outros parece que a quantidade seria primordial.
Sua proposta me fez lembrar uma nova casa, um lar. Uma ação dessas na paisagem urbana deve causar um grande estranhamento por parte do público, mas arte também é isso.

Parabéns e boa sorte

Gilio Mialichi
69. Guilherme Couri Nogara
15/12/2009 23:10
Tenho tal relação de integração com as árvores...

por alguns dias passei a dormir em um cajueiro deitado em seus galhos retorcidos junto com outros ser da noite...

durante o dia compartilhava com os micos e pássaros, formigas...

estou a desenhar um lar móvel que permite um bom descanso suspenso...

aceito o convite de participar em sua performance

paz e poder
70. Bruno Freire
13/12/2009 20:16
Poxa.
Ricardo.
bom te ver por aqui.
imanginei que seu projeto tinha tudo a ver em ser testado na mata.
e está prontinho.só fazer.

abraço.

71. Shima
12/12/2009 23:59
Fala Ricardo!
Espero que teu projeto entre! Tô torcendo!

Um grande abraço e sucesso!
72. vânia medeiros
12/12/2009 13:31
bonito isso!
73. AoLeo
11/12/2009 18:14
E ai, ricardo.... muito boa sua proposta.... e confesso que seus interesses entram em sintonia com os meus... dá uma olhada no meu projeto tb.....arquitetuvore(A)... e ve se não há uma sintonia....mas enfim.... boa sorte...
...um abraço....
...A..o...L....e....o......
74. Leandro Rego
11/12/2009 14:42
aranha e teia.
75. Gabriel Netto
11/12/2009 10:13
Muito interessante, já estou imaginando uma interação com o projeto Homocrisálida. Parabens!
76. Gabriel Netto
11/12/2009 10:08
Realmente interessante! Uma ação bem completa!